Veja mais postagens

12 de novembro de 2018

16ª GRE distribuiu kit lanche para alunos de Fronteiras – PI que fizeram o ENEM neste domingo

16ª GRE distribuiu kit lanche para alunos de Fronteiras – PI que fizeram o ENEM neste domingo


Na manhã deste domingo 11/11, a equipe da 16 GRE “Gestão 2018”, realizou a entrega de frutas e água mineral para os estudantes das Escolas Públicas Estaduais de Fronteiras/PI.

A Gerente, Nazaré Antão, escolheu esse momento parabenizando os estudantes pela persistência. A mesma, enfatizou: “Todos que se fazem presente neste segundo dia de prova tem perfil de vencedor, pois muitos desistem após o primeiro dia do exame.”

Nazaré Antão ainda mencionou que o Piauí, por 3 anos consecutivos, lidera no ranking entre os Estados da Federação, com o maior número de alunos que comparecem para realizar a prova, ou seja, o Piauí tem o menor índice de faltosos.

Na oportunidade a Gerente Regional parabenizou a todos que compõe a 16ª GRE, em especial ao senhor Genilson Sobrinho por estar ajudando a proporcionar este momento.































9 de novembro de 2018

PROJETO “CADÊ O SORRISO DE MARIA” É LANÇADO COM PARCERIAS EM FRONTEIRAS – PI

PROJETO “CADÊ O SORRISO DE MARIA” É LANÇADO COM PARCERIAS EM FRONTEIRAS – PI


O projeto “Cadê o Sorriso de Maria“, foi lançado na manhã desta quinta- feira (08/11) no Auditório Dona Quinô na cidade de Fronteiras – PI, sob coordenação do Centro de Referência da assistência Social, Secretaria de Assistência Social e Cidadania, em parceria com o Poder Judiciário de Fronteiras.
O projeto tem como objetivo prevenir a violência contra a mulher, orientando, no âmbito psicossocial, tanto aos homens autores de violência contra mulheres, proporcionando reestruturação de crenças disfuncionais e respeito dos papéis sociais de atores com quem se relaciona; quanto as mulheres vítimas ou não, orientando-as de como proceder caso venha acontecer algum tipo de violência doméstica.

Além do coordenador, Raoni Sousa, o projeto conta com a coordenadora adjunta Rosa Maria Alves Marques, com o apoio do judiciário, na pessoa do Juiz de Direito João Manoel de Moura Ayres, bem como de autoridades locais como a Secretária Municipal de Educação, Verônica Maria Pereira Ribeiro, dentre outros.


“Pretendemos informar as mulheres sobre as medidas que elas podem estar tomando em relação a violência sofrida e fazer um trabalho com os homens também, principalmente os homens que cumprem algum tipo de penalidade na justiça por ter praticado este ato de violência, independente de qual seja, mas violência contra a mulher”, relatou Raoni Sousa.

O juiz de direito da Vara Única de Fronteiras, Dr. João Manoel de Moura Ayres, usou da oportunidade para falar da importância do projeto bem como sobre a Lei Maria da Penha que assegura o combate à violência praticada contra a mulher.


“A ‘Lei Maria da Penha’ veio justamente garantir a proteção a mulher dessas agressões, sejam físicas, psicológicas ou patrimoniais. Quantas mulheres ficam com medo de denunciar o marido por dependerem dele economicamente? Por terem medo de terminar o relacionamento? Por terem medo de denunciar por causa dos filhos? Mas são com projetos como este que nós conseguimos esclarecer as mulheres. A importância que é, do sujeito que ela é, que ela tem que procurar seus direitos, que ela não é obrigada a sofrer esse tipo de violência. Isso nós temos que esclarecer”, enfatizou o Dr. João Manoel.

A Secretária Municipal de Educação, Verônica Ribeiro, parabenizou o professor Raoni pela iniciativa de um projeto tão importante na busca da proteção às mulheres e agradeceu o empenho do judiciário na pessoa do juiz João Manoel de Moura Ayres, e acrescentou:

“Os números no Brasil são alarmantes e sempre a mulher calou, foi omissa, até por medo de represálias. E esse espaço é muito bom para ajudar essas mulheres a gritar. A gritar e a falar o que sempre foram proibidas. A educação por sua vez tem grande importância nesse contexto, proporcionando através da mesma transformações na sociedade, afinal povo educado é povo desenvolvido”, enfatizou.

Durante toda a semana, o projeto segue com ações através de oficinas, palestras e encontros com o intuito de atingir metas, que de acordo com o coordenador do projeto seria: desenvolvimento de, no mínimo 2 e no máximo 4 encontros na sede do município e na zona rural; acolhimento e orientação psicossocial de no mínimo 25 e no máximo 50 homens agressores; desenvolvimento e distribuição de panfletos e folders informativos; realização de 2 seminários sobre violência contra a mulher.